Comunicação

Notícias

Canguaretama é destaque no ranking do RN no IGD

Cadastro Único para Programas Sociais reúne informações socioeconômicas das famílias brasileiras de baixa renda

Importante para determinar a qualidade das ações realizadas pelos municípios nas ações de cadastramento, atualização cadastral e de acompanhamento das condicionalidades de educação e saúde, o Índice de Gestão Descentralizada (IGD) gera um Ranking estadual que serve de parâmetro para os municípios. No Rio Grande do Norte, o município de Canguaretama alcançou a 11ª posição geral, uma prova do importante trabalho de acompanhamento das famílias. 

Esse trabalho realizado pelas equipes do CRAS e CREAS tem ocasionado um impacto social expressivo,  no qual já são colhidos frutos importantes. A Taxa de Atualização Cadastral (TAC) do município é de 93,99%, bem acima da média nacional, que encontra-se em 73,16%. 

A cobertura do programa é de 110,72% em relação à estimativa de famílias pobres no município. Isso significa que o cadastro no município está bem focalizado e atualizado, ou seja, a maioria das famílias cadastradas pertence ao público alvo.

Cadastro Único

O Cadastro Único para Programas Sociais reúne informações socioeconômicas das famílias brasileiras de baixa renda – aquelas com renda mensal de até meio salário mínimo por pessoa. Essas informações permitem ao Governo conhecer as reais condições de vida da população e, a partir dessas informações, selecionar as famílias para diversos programas sociais. 

Em Canguaretama, há 4.627 famílias beneficiárias do Bolsa Família. Essas famílias equivalem, aproximadamente, a 40,01% da população total do   município, e inclui 2.968 famílias que, sem o programa, estariam em condição de extrema pobreza. No mês de junho de 2018 foram transferidos R$ 1.059.714,00 às famílias do Programa e obenefício médio repassado  foi de  R$ 229,03  por família. Conforme estudo realizado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), fundação   pública federal vinculada ao Ministério do Planejamento, a cada R$ 1,00 transferido às famílias do programa, o Produto Interno Bruto (PIB) municipal tem um  acréscimo de  R$  1,78. Acobertura do programa é de 110,72%  em relação à estimativa de famílias pobres no município. Essa estimativa é calculada com base nos dados mais atuais do Censo Demográfico, realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).